Notícias

Na Mídia

28 de Junho de 2024

Turma valida decisão de juízo falimentar que reconheceu prescrição de créditos tributários antes da Lei 14.112

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu a validade de uma sentença na qual o juízo falimentar decidiu acerca da prescrição intercorrente de créditos tributários em sede de habilitação de crédito. Na origem, um município pleiteou a habilitação de crédito tributário no processo de falência de uma empresa. O juízo concedeu parcialmente a habilitação e declarou a prescrição de parte dos créditos. O tribunal de segundo grau afastou a prescrição de apenas uma das execuções fiscais e confirmou a competência do juízo falimentar para decidir quanto à exigibilidade do crédito tributário. No recurso dirigido ao STJ, o município pleiteou o reconhecimento da incompetência do juízo falimentar, além de ter requerido que fosse afastada a prescrição e determinada a habilitação do crédito pretendido. Sentença que reconheceu a prescrição foi anterior à vigência da Lei 14.112/2020 O relator, ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, reconheceu que há julgados da Primeira Seção –responsável por questões de direito público – sobre declaração da prescrição do crédito tributário em sede de habilitação de crédito. Todavia, o relator destacou que a decisão que gerou o recurso em julgamento adveio de processo falimentar, e não de execução fiscal. Segundo observou, tal fato direciona a competência para as turmas de direito privado, que julgam recursos relativos à falência. O ministro ressaltou que o artigo 7º-A da Lei 11.101/2005, introduzido pela Lei 14.112/2020, definiu expressamente a competência do juízo da execução fiscal para decidir sobre a prescrição dos créditos públicos. No entanto, ele apontou que, no caso sob análise, a sentença que reconheceu a prescrição parcial dos créditos tributários que o município pretendeu habilitar na falência foi anterior à entrada em vigor da Lei 14.112/2020, motivo pelo qual possibilitou sua análise pelo juízo falimentar. O relator enfatizou que a fixação da competência em razão da matéria é norma de natureza processual consistente em alteração de competência absoluta, motivo pelo qual possui incidência imediata. Todavia, o alcance da alteração legislativa, conforme reiterados precedentes do STJ e do Supremo Tribunal Federal (STF) acerca da aplicação de norma nova que altera a competência absoluta, limita-se aos processos que ainda não possuíam sentença de mérito na época da entrada em vigor da nova lei. Leia o acórdão no REsp 2.041.563.   Fonte: STJ

26 de Junho de 2024

3ª Turma atualiza entendimento sobre execução de dívidas geradas após início da recuperação judicial

Com base em legislação recente e em precedentes de tribunais superiores, decisões têm reforçado que créditos são de responsabilidade da Justiça do Trabalho A 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (TRT-SC) formou um novo entendimento sobre a competência para a execução de créditos extraconcursais, ou seja, aqueles originados após a decretação da recuperação judicial de uma empresa.  Na última sessão de julgamento do colegiado (18/6), durante sete ocasiões o voto vencedor propôs que a responsabilidade para cobrar os valores fosse da Justiça do Trabalho, e não do juízo da recuperação judicial, vinculado à Justiça Estadual, como acontecia anteriormente. Duas das ações julgadas estavam sob a relatoria do desembargador Reinaldo Branco de Moraes, que propôs a mudança. Os autores buscam receber créditos trabalhistas devidos por empresas em crise financeira e com recuperação judicial decretada pela Justiça Estadual. Nesta situação, o próprio devedor elabora um plano para conciliar o pagamento das dívidas e a manutenção de suas atividades, evitando que a empresa quebre. O plano deve ser aprovado por uma assembleia de credores e fiscalizado pelo juízo de recuperação judicial. Em ambos os votos, Reinaldo de Moraes adotou o entendimento de que, nos créditos extraconcursais, a alçada da Justiça do Trabalho ultrapassa o costumeiro cálculo dos valores devidos e a expedição de certidão para os credores habilitarem a dívida junto ao juízo cível da recuperação judicial. Ou seja, de acordo com essa nova interpretação, a competência trabalhista amplia-se para todos os atos processuais necessários. Restrição Para fundamentar seu posicionamento, Moraes citou mudanças introduzidas pela Lei 14.112/2020 na Lei de Recuperação Judicial e Falências (1.101/2005). Pela nova legislação, a Justiça do Trabalho tem apenas uma restrição durante a recuperação judicial: respeitar os 180 dias previstos na lei, extensível por igual período, para que os bens essenciais à continuidade operacional da empresa fiquem protegidos. Na prática, isso significa que durante esse intervalo de tempo, chamado de “stay period” (do inglês, período de permanência), a execução dos créditos extrajudiciais continua sob a competência da Justiça do Trabalho. No entanto, se for realizada alguma penhora, será necessário informar o juízo da recuperação, que terá competência exclusivamente para avaliar e, se necessário, substituí-la. Os acórdãos mencionam ainda precedentes do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que já reconheceram a autonomia dos juízes trabalhistas para lidar com créditos extraconcursais. Além dos processos mencionados, durante a última sessão da 3ª Turma do TRT-SC ainda houve duas ações, sob as relatorias dos desembargadores José Ernesto Manzi e Wanderley Godoy Junior, que foram julgadas com entendimento similar. Conflito de competências Também este mês, um caso sobre o mesmo tema, com origem na 5ª Vara do Trabalho de Joinville, teve desfecho semelhante no STJ. A ação teve início em 2021, envolvendo um trabalhador contra uma empresa de pavimentação da região. O conflito de competência surgiu após divergências sobre quem seria responsável para seguir com a execução da dívida, gerada após a decretação da recuperação judicial. Em decisão de 2022, a segunda instância do TRT-SC atribuiu a tarefa ao juízo de recuperação judicial, que se recusou a aceitá-la, delegando a competência de volta à Justiça do Trabalho. Diante do impasse, o juiz Ozéas de Castro, responsável pelo caso na 5ª VT de Joinville, suscitou um conflito de competência ao STJ. A decisão da corte superior, proferida pelo ministro Moura Ribeiro, manifestou entendimento semelhante ao de Castro na decisão de primeiro grau, encerrando o conflito e ressaltando a competência do ramo trabalhista para prosseguir promovendo os atos processuais necessários.   Fonte: TRT2

21 de Junho de 2024

2º Simpósio de Recuperação Judicial e Falência do MS: Confira a programação completa

Marcado para o dia 27 de junho de 2024, no Hotel Deville Prime Campo Grande, o 2º Simpósio de Recuperação Judicial e Falência do MS, promovido pela OAB/MS, reunirá especialistas de renome para discutir os temas mais relevantes e atuais da área. A abertura do evento será ministrada pelo Vice-Governador do Estado do Mato Grosso do Sul, José Carlos Barbosa – Barbosinha, que abordará os desafios para o empresário diante do cenário de crise, e na sequência: • 1º PAINEL – MACROECONOMIA E A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DO EMPRESÁRIO RURAL: Marcelo Sacramone e Manoel Justino Bezerra Filho conduzem este painel crucial, presidido por Diego Baltuilhe dos Santos (Mestre Medeiros). José Eduardo Chemin Cury e Heloysa Furtado complementam o debate, explorando os impactos da macroeconomia na recuperação judicial do agronegócio e as soluções para o setor. • 2º PAINEL – ANÁLISE DA NATUREZA DO CRÉDITO – CONCURSALIDADE DOS CRÉDITOS RURAIS – CPR E O ESTADO DE CALAMIDADE: Geraldo Fonseca e Fábio Broccoli Cabelo lideram este painel, sob a presidência de Marcelo Hajaj Merlino (Mestre Medeiros). Lucas Mochi e Priscila Camargo enriquecem a discussão sobre a complexidade do crédito rural, a concursalidade, CPRs e os desafios em momentos de calamidade. • 3º PAINEL – CAUTELARES PERANTE A LEI 11.101/05 – ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA – MEDIAÇÃO, ARBITRAGEM E RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL: Cássio Cavalli e Adriana Pugliesi comandam este painel, presidido por Mansour Elias Karmouche. César de Souza Lima e Marco Aurélio Mestre Medeiros participam do debate, desvendando as nuances das medidas cautelares na Lei 11.101/05, a antecipação dos efeitos da tutela e as alternativas extrajudiciais como a mediação e a arbitragem. • 4º PAINEL – JURISPRUDÊNCIA DO STJ – CRÉDITO TRIBUTÁRIO À LUZ DA LEI 14112/20: Francisco Satiro e Felipe Scavazini, sob a presidência de José Henrique Neiva (Juiz da Vara Especializada de RJ e Falências de CG, desde 2009), guiam este painel essencial. Veridyana Fantinato e Lissandra Ozuna participam do debate, explorando as decisões e tendências do STJ em relação ao crédito tributário no contexto da Lei 14.112/20. • 5º PAINEL – PL 03/2024 E OS DESAFIOS DA RECUPERAÇÃO JUDICIAL E DA ADMINISTRAÇÃO JUDICIAL: Ronaldo Vieira Francisco e Tatiana Flores conduzem este painel fundamental, presidido por Tamara Torraca Delgado, com a participação de Alexandrry Chekerdemian e José Paulo Japur. Juntos, analisarão os desafios e as perspectivas da recuperação judicial e da administração judicial frente ao PL 03/2024.   Por que participar? O 2º Simpósio de Recuperação Judicial e Falência do MS é a oportunidade ideal para: • Atualização profissional: Amplie seus conhecimentos com as últimas decisões, legislações e tendências do setor. • Networking: Conecte-se com outros profissionais da área, criando novas oportunidades de negócios e parcerias. • Aprimoramento estratégico: Adquira insights valiosos para tomar decisões mais assertivas em seus casos.   Garanta sua vaga! As vagas são limitadas! Inscreva-se agora mesmo em https://simposio-oabms.com.br/e faça parte deste evento imperdível para advogados, empresários e todos os envolvidos com a área de Recuperação Judicial e Falência.   Fonte: OAB/MS

21 de Junho de 2024

2º Simpósio de Recuperação Judicial e Falência do MS: Confira a programação completa

Marcado para o dia 27 de junho de 2024, no Hotel Deville Prime Campo Grande, o 2º Simpósio de Recuperação Judicial e Falência do MS, promovido pela OAB/MS, reunirá especialistas de renome para discutir os temas mais relevantes e atuais da área. A abertura do evento será ministrada pelo Vice-Governador do Estado do Mato Grosso do Sul, José Carlos Barbosa – Barbosinha, que abordará os desafios para o empresário diante do cenário de crise, e na sequência: • 1º PAINEL – MACROECONOMIA E A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DO EMPRESÁRIO RURAL: Marcelo Sacramone e Manoel Justino Bezerra Filho conduzem este painel crucial, presidido por Diego Baltuilhe dos Santos (Mestre Medeiros). José Eduardo Chemin Cury e Heloysa Furtado complementam o debate, explorando os impactos da macroeconomia na recuperação judicial do agronegócio e as soluções para o setor. • 2º PAINEL – ANÁLISE DA NATUREZA DO CRÉDITO – CONCURSALIDADE DOS CRÉDITOS RURAIS – CPR E O ESTADO DE CALAMIDADE: Geraldo Fonseca e Fábio Broccoli Cabelo lideram este painel, sob a presidência de Marcelo Hajaj Merlino (Mestre Medeiros). Lucas Mochi e Priscila Camargo enriquecem a discussão sobre a complexidade do crédito rural, a concursalidade, CPRs e os desafios em momentos de calamidade. • 3º PAINEL – CAUTELARES PERANTE A LEI 11.101/05 – ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA – MEDIAÇÃO, ARBITRAGEM E RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL: Cássio Cavalli e Adriana Pugliesi comandam este painel, presidido por Mansour Elias Karmouche. César de Souza Lima e Marco Aurélio Mestre Medeiros participam do debate, desvendando as nuances das medidas cautelares na Lei 11.101/05, a antecipação dos efeitos da tutela e as alternativas extrajudiciais como a mediação e a arbitragem. • 4º PAINEL – JURISPRUDÊNCIA DO STJ – CRÉDITO TRIBUTÁRIO À LUZ DA LEI 14112/20: Francisco Satiro e Felipe Scavazini, sob a presidência de José Henrique Neiva (Juiz da Vara Especializada de RJ e Falências de CG, desde 2009), guiam este painel essencial. Veridyana Fantinato e Lissandra Ozuna participam do debate, explorando as decisões e tendências do STJ em relação ao crédito tributário no contexto da Lei 14.112/20. • 5º PAINEL – PL 03/2024 E OS DESAFIOS DA RECUPERAÇÃO JUDICIAL E DA ADMINISTRAÇÃO JUDICIAL: Ronaldo Vieira Francisco e Tatiana Flores conduzem este painel fundamental, presidido por Tamara Torraca Delgado, com a participação de Alexandrry Chekerdemian e José Paulo Japur. Juntos, analisarão os desafios e as perspectivas da recuperação judicial e da administração judicial frente ao PL 03/2024.   Por que participar? O 2º Simpósio de Recuperação Judicial e Falência do MS é a oportunidade ideal para: • Atualização profissional: Amplie seus conhecimentos com as últimas decisões, legislações e tendências do setor. • Networking: Conecte-se com outros profissionais da área, criando novas oportunidades de negócios e parcerias. • Aprimoramento estratégico: Adquira insights valiosos para tomar decisões mais assertivas em seus casos.   Garanta sua vaga! As vagas são limitadas! Inscreva-se agora mesmo em https://simposio-oabms.com.br/e faça parte deste evento imperdível para advogados, empresários e todos os envolvidos com a área de Recuperação Judicial e Falência.   Fonte: OAB/MS

21 de Junho de 2024

Prova de regularidade fiscal continua dispensada se plano de recuperação foi homologado antes da Lei 14.112

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou provimento a recurso da Fazenda Nacional contra decisão do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) que, confirmando a sentença de primeiro grau, dispensou a apresentação de certidões de regularidade fiscal para a homologação de um plano de recuperação judicial, bem como para a renovação de incentivos fiscais. De acordo com o colegiado, a partir da vigência da Lei 14.112/2020, tornou-se necessário apresentar as certidões de regularidade fiscal como requisito para a homologação do plano de recuperação judicial, nos termos dos artigos 57 da Lei 11.101/2005 e 191-A do Código Tributário Nacional. No entanto, para as homologações anteriores – como no caso em julgamento –, as certidões continuam sendo dispensáveis. Um grupo empresarial teve seu pedido de recuperação deferido pelo juízo de primeiro grau, tendo sido dispensada a apresentação de certidões de regularidade fiscal para a homologação do plano. A Fazenda Nacional contestou a dispensa, mas o TJPE entendeu que a apresentação das certidões não era um requisito indispensável para a concessão da recuperação. Ao STJ, a Fazenda Nacional alegou que a homologação do plano de recuperação não poderia prescindir da apresentação das certidões de regularidade fiscal por parte da recuperanda. Inovações trazidas pela Lei 14.112 mudaram entendimento sobre a matéria O ministro Antonio Carlos Ferreira, relator do recurso, comentou que, até a edição da Lei 14.112/2020, exigir prova de quitação de todo o passivo tributário para o acesso ao procedimento recuperacional tornaria absolutamente inócuo o instituto legal, pois as dívidas fiscais atingem normalmente valores altos, cujo pagamento costuma ser impossível para as empresas em situação de crise econômico-financeira. Contudo, segundo o magistrado, a Lei 14.112/2020 trouxe diversas medidas para facilitar a reorganização da empresa recuperanda no tocante aos débitos tributários – entre elas, o parcelamento por dez anos. O ministro apontou que, se a decisão que determinar a comprovação da regularidade fiscal não for atendida, a solução compatível com a disciplina legal em vigor atualmente não é a convolação da recuperação em falência. Em vez disso, deve-se suspender o processo, com a consequente descontinuidade dos efeitos favoráveis à empresa, como a suspensão das execuções contra ela. Se a homologação do plano foi anterior à Lei 14.112, aplica-se a jurisprudência antiga Porém, disse o relator, em relação às decisões homologatórias anteriores à vigência da Lei 14.112/2020, deve ser aplicado o entendimento jurisprudencial da época, que não admitia a exigência de comprovação da regularidade fiscal. É o que decorre do princípio tempus regit actum (artigo 5º, XXXVI, da Constituição Federal e artigo 6º da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro). Antonio Carlos Ferreira lembrou que o artigo 52, II, da Lei 11.101/2005, em sua redação original, estabelecia que o juiz, ao deferir o processamento da recuperação, deveria determinar a dispensa da apresentação de certidões negativas para que a empresa pudesse exercer suas atividades, "exceto para contratação com o poder público ou para recebimento de benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios". Segundo o ministro, naquele contexto legislativo, a jurisprudência do STJ se orientou no sentido de "mitigar o rigor da restrição imposta pela norma, dispensando, inclusive, a apresentação de certidões para a contratação com o poder público ou para o recebimento de benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, a fim de possibilitar a preservação da unidade econômica". Leia o acórdão no REsp 1.955.325.   Fonte: STJ

12 de Junho de 2024

Aprovado, projeto da nova Lei de Execução Fiscal inclui cobrança de débitos

A Comissão Temporária para Exame de Projetos de Reforma dos Processos Administrativo e Tributário Nacional aprovou, nesta quarta-feira (12), o projeto que cria a nova Lei de Execução Fiscal (PL 2.488/2022). A principal novidade é a possibilidade de cobrança extrajudicial de débitos de menor valor. Caso não haja recursos para votação em Plenário, o projeto seguirá para análise da Câmara dos Deputados. O texto aprovado pela comissão é um substitutivo (texto alternativo) elaborado pelo relator, senador Efraim Filho (União-PB). O texto tem por base o PL 2.488/2022, mas com acréscimo de sugestões de juristas, de especialistas e da sociedade. Por se tratar de um substitutivo, o texto foi submetido a dois turnos de votação na comissão. O projeto integra a lista de anteprojetos sobre temática tributária e administrativa elaborados por comissão de juristas criada em 2022 por ato conjunto do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e do então presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux. Comandada pela ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Regina Helena Costa, a comissão elaborou minutas de proposições legislativas para dinamizar, unificar e modernizar o processo administrativo e tributário nacional, posteriormente apresentadas como projetos de lei por Rodrigo Pacheco. O objetivo do texto é substituir a atual Lei de Execução Fiscal (Lei 6.830, de 1980) por uma nova legislação que incorpore as inovações processuais mais recentes e ajude a tornar a cobrança de dívidas fiscais menos burocrática. O texto busca simplificar as regras para cobrança judicial e extrajudicial da dívida ativa da União, dos estados, do Distrito Federal, dos municípios e das respectivas autarquias e fundações de direito público. Essas mesmas regras poderão ser aplicadas à cobrança de créditos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), dos conselhos profissionais e do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Dívida ativa é aquilo que um contribuinte não pagou ao governo no devido tempo. O PL 2.488/2022 adota como definição de dívida ativa a mesma utilizada pela Lei 4.320, de 1964. Segundo essa lei, dívida ativa tributária é o crédito do fisco proveniente de obrigação legal relacionada a tributos e respectivos adicionais e multas. Já na dívida ativa não tributária são incluídos os demais créditos do fisco, como os empréstimos compulsórios, contribuições legais, multas não tributárias, foros, laudêmios, aluguéis ou taxas de ocupação, custas processuais, preços de serviços prestados por estabelecimentos públicos, indenizações, reposições, restituições, além de outras obrigações. Também serão considerados dívida ativa os valores pagos pela administração pública em excesso ou indevidamente a título de remuneração ou de pagamento de benefícios, inclusive previdenciários e assistenciais. Inscrição em Dívida Ativa Os valores não pagos pelos contribuintes deverão ser inscritos na dívida ativa pelos órgãos credores no prazo de até 90 dias úteis, contados a partir da data em que os créditos se tornarem exigíveis. O contribuinte terá o direito de solicitar o controle de legalidade da inscrição em dívida ativa, isto é, pedir que seja verificada se a cobrança está realmente correta. Essa análise será feita obrigatoriamente pelo fisco sempre que receber o pedido de inscrição de créditos em dívida ativa. Não poderão ser inscritos na dívida ativa créditos relacionados a matérias já decididas a favor do contribuinte com trânsito em julgado (fim da possibilidade de recursos) e com pronunciamento vinculante (que criam regra a ser seguida em decisões seguintes) pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ou pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou em contraste com orientação vinculante dada em âmbito administrativo pelo próprio ente público. Após ser notificado da inscrição de um débito na dívida ativa, será aberto um período para que devedor e credor dialoguem administrativamente, por meio eletrônico, sobre os débitos em questão. O devedor terá até dez dias úteis para pagar o valor devido, acrescido de juros, multas e demais encargos ou para negociá-lo. Se preferir, terá até 20 dias úteis para questionar o débito, solicitando sua revisão, ou para ofertar antecipadamente garantia em execução fiscal. A notificação do devedor poderá ser feita por meio de carta ou por e-mail. O devedor poderá fazer a oferta antecipada de garantia em execução fiscal indicando bens próprios ou de terceiros (desde que devidamente autorizados por eles) que forem sujeitos a registro público e passíveis de penhora (como imóveis e veículos) ou carta de fiança ou apólice de seguro garantia. Poderão ser ofertados bens já penhorados, desde que seu valor possa cobrir integralmente todas as dívidas a que estiverem relacionados. Se os bens forem aceitos pelo fisco, serão encaminhados para penhora e o contribuinte terá direito à certidão de regularidade fiscal. Cobrança extrajudicial Caso o devedor não pague o valor devido, não solicite revisão da dívida nem ofereça garantia antecipada nos prazos estabelecidos, o fisco poderá encaminhar a dívida para protesto, inscrever seu nome nos cadastros de proteção ao crédito, averbar a dívida nos cadastros de bens, usar os serviços de instituições de cobrança amigável e utilizar os meios disponíveis para a cobrança extrajudicial ou judicial. A cobrança extrajudicial (sem abertura de processo na Justiça) de dívidas de menor valor é a principal inovação em relação à lei atual e tem o objetivo de agilizar os processos e desafogar o Judiciário. Essa cobrança fora da Justiça será a forma obrigatória quando o valor consolidado da dívida for inferior a 60 salários mínimos ou, no caso dos conselhos profissionais e da OAB, 40 salários mínimos. Cada estado e município e o Distrito Federal poderão ter limites menores em relação às dívidas de que forem credores se aprovarem legislação nesse sentido. Os entes federativos também poderão editar leis estabelecendo um limite de valor da dívida abaixo do qual a autoridade pública poderá desistir da cobrança extrajudicial. Não será admitida cobrança extrajudicial quando o devedor for incapaz, falido, insolvente, estiver em recuperação judicial, caso seja condenado preso ou internado ou se for entidade da administração pública estrangeira ou submetida ao pagamento de precatório. Na cobrança extrajudicial, o credor poderá solicitar ao tabelião de protesto a penhora de bens do devedor, sendo garantido ao devedor a assistência de advogado, os direitos de defesa e de questionar as decisões do tabelião, inclusive no Judiciário. Para proceder aos atos necessários à cobrança extrajudicial, os tabeliães deverão ter acesso, por meio de convênios, a sistemas que permitam a consulta dos bens do devedor. Também poderão solicitar apoio do respectivo Tribunal de Justiça para realizar avaliações e da autoridade policial para fazer apreensões, se necessário. Cobrança judicial A cobrança judicial somente se dará nos casos em que não couber a cobrança extrajudicial, em função dos valores envolvidos ou das circunstâncias do devedor. Considerando os critérios de racionalidade, economicidade e eficiência, o órgão credor poderá desistir da cobrança judicial. Essa possibilidade se abre quando não forem encontrados bens ou direitos em nome do devedor suficientes para o pagamento do débito ou quando o montante da dívida for menor do que dez salários mínimos, se o credor for a União ou entidade federal ou nacional; ou menor do que cinco salários mínimos, nos demais casos. As autoridades competentes poderão fixar limites mais altos do que esses. A desistência da cobrança judicial não impede, porém, a realização de medidas administrativas, como inscrição em cadastro de inadimplentes. Na execução judicial, poderá ser feita a penhora de bens do devedor e seu encaminhamento para alienação (transferência de propriedade) para quitar a dívida, garantido o direito à ampla defesa. As regras do Código de Processo Civil (Lei 13.105, de 2015) deverão ser utilizadas em apoio às regras da nova lei. Para o relator, isso vai dar maior segurança jurídica aos processos, já que poderá ser utilizada a jurisprudência já existente. Emendas Efraim Filho acatou também, parcialmente, duas emendas apresentadas pelo senador Weverton (PDT-MA). Uma delas incluiu o protesto da dívida em cartório como uma etapa a ser realizada antes da cobrança extrajudicial ou da cobrança judicial. O protesto é o registro oficial de uma dívida. A outra emenda, acatada na forma de um ajuste redacional, deixa claro que o protesto deverá ser feito no domicílio do devedor.   Fonte: Agência Senado